Atualizado em 13 de abril de 2020

Um dos passeios mais populares em Cusco é também um dos mais controversos. Enquanto algumas pessoas consideram imperdível, outras ponderam um pouco mais esse adjetivo. Por outro lado, se vocês nos perguntassem o que achamos a respeito, diríamos que estamos no meio termo e vamos responder o porquê ao explicarmos direitinho como funciona o city tour em Cusco.

Como é o City Tour em Cusco

Tá, eu confesso. City tour é uma palavra que me faz revirar os olhinhos da forma mais feia que existe. Se tem algo que me tira do sério são esses passeios guiados com mais de 20 pessoas, onde você dá de cara com outros grupos com mais de 20 pessoas. Além disso, há vários guias tentando falar um mais alto que o outro e 15 minutos para apreciar o local, tirar fotos e voltar pro ônibus. E ao chegar no ônibus você ainda fica mais 20 minutos esperando aqueles outros integrantes do grupo que não voltaram a tempo. Sem dúvidas, esse tipo de passeio não é pra mim.

Porém existem lugares que se você não fizer um passeio guiado dessa forma você não irá entender nada da história do local. E na maioria das vezes contratar um guia privativo para cada passeio estoura o orçamento de qualquer viajante mochileiro-muquirana-mão de vaca. E adivinhem? Cusco é um desses lugares! E por isso optamos por fazer o city tour em Cusco.

Templo de Qorikancha no City Tour em Cusco
Parte de fora do Templo de Qoricancha junto com o Templo do Sol

Nossas ponderações sobre o City Tour em Cusco

Você pode contratar um taxista para te levar em todos os locais que as agências de turismo costumam passar durante o city tour, mas corre o risco de não obter todas as informações e histórias legais daquele lugar. Ou então, você pode contratar um guia privado para te levar nesses mesmos locais e possivelmente terá ainda mais informação do que em um passeio normal, mas esteja preparado para desembolsar uns US$50 a mais.

Por fim, você pode fazer que nem a gente. Procure uma agência de viagens em torno da Plaza de Armas de Cusco, pague um preço justo, se prepare para fazer o famoso City Tour em Cusco, não crie muitas expectativas em relação ao serviço, mas tenha em mente que irá conhecer lugares incríveis. Os lugares visitados são fantásticos e para quem gosta de história já começa a deixar aquele gostinho de quero mais, principalmente porque de certa forma, o passeio em si é um pouco corrido.

Além disso tudo, uma das principais coisas que você precisa saber sobre o City Tour em Cusco é que não importa quantas agências você pesquise, eles te colocarão em um ônibus com várias pessoas de agências diferentes e todas oferecem o mesmo roteiro. Então, nesse quesito, fechar com a empresa mais simples ou mais requintada não farpa tanta diferença. Apenas procure a agência que te passar mais segurança no sentido de resolução de problemas. E isso vale para qualquer passeio em Cusco.

Roteiro do City Tour em Cusco

O roteiro inclui a Catedral de Cusco, Qoricancha (Templo do Sol), Sacsayhuaman, Qenqo, Puca Pucara e Tambomachay. O valor costuma ser entre 20 e 30 soles por pessoa, dependendo da agência e do seu poder negociação, lógico. Além do mais, a entrada na Catedral de Cusco é paga à parte e custa 25 soles, entretanto, existe a opção de fazer o passeio sem a catedral. De qualquer forma, o passeio começas às 14:00 e vai até umas 18:30, com ou sem a igreja. Desta forma, achamos que o tempo seria melhor administrado com uma atração a menos, já que poderíamos visitar a basílica em outra ocasião. No entanto, no final das contas, não fez tanta diferença assim.

Uma dica importantíssima é que para visitar a maioria das ruínas incas e museus da cidade é necessário comprar o Boleto Turístico de Cusco. Ou seja, tenha o seu em mãos antes de embarcar no city tour em Cusco.

1 – Qoricancha – Templo do Sol

Dizem que todas as paredes desse lugar eram revestidas de ouro e outras pedras preciosas durante o Império Inca e que além disso, ele era utilizado para rituais e cultos ao Deus Sol. Quando chegaram os espanhóis foi construída uma igreja e um convento sobre o templo. Mas ainda assim, os espanhóis aproveitaram as edificações incas em suas construções e isso ocorreu em vários outros lugares da cidade. Desde então o local já passou por dois grandes terremotos que fizeram cair as estruturas espanholas enquanto as incas continuaram firmes e fortes. Por aqui se vê beleza em cada detalhe e em cada encaixe de pedra. E quanto mais perfeito o acabamento, mais importante era a pessoa a quem o local era dedicado. Quanto ao ouro, infelizmente foi todo levado embora no período de colonização.

2 – Sacsayhuaman

Foi aqui que eu realmente me impressionei e que a minha ficha caiu. Finalmente eu estava cara-a-cara com a engenhosidade e a inteligência da cultura inca de uma forma que até então, não havia imaginado. Aquela muralha enorme de pedras, cujo os pontos mais altos chegam a atingir 9 metros de altura, de primeira nos remete a uma fortaleza. E nossas suspeitas se confirmam quando o guia explica que o local realmente foi construído com propósitos militares. De fato, Sacsayhuaman impressiona! Todas aquelas pedras, algumas tão grandes e em formatos tão perfeitos que não há uma explicação plausível para como elas foram feitas e levadas até ali. Um fato interessante é que durante a colonização os espanhóis derrubaram muitos muros do local e levaram muitas pedras dali para construir suas igrejas.

Um ponto negativo da visita à Sacsayhuaman durante o City Tour em Cusco é que como essas ruínas são bem grandes, o tempo para visitá-la acaba sendo bem pouquinho. Uma pena…

Sacsayhuaman durante o city tour em cusco
Vista de cima das ruínas

3 – Qenqo

O templo de Qenqo é pequeno e fácil de ser visitado. Porém, como ele estava muito cheio, o negócio ficou um pouco confuso e foi exatamente aqui que o passeio começou a ficar um pouco mais corrido. Lembram daquele lance de ter que esperar as pessoas que não voltam no horário combinado? Então, isso aconteceu nos dois primeiros pontos do passeio e por isso, parece que quando chegamos por lá todas as agências de viagens chegaram junto. Era tanto guia falando ao mesmo tempo que por um momento eu nem conseguia entender direito o que o meu guia explicava.

Início das ruínas

Demorei um pouquinho para perceber que o local era utilizado para cerimônias religiosas e que dentro da caverna, a qual passamos super rápido sem sequer poder parar para tirar foto, há uma mesa cerimonial destinada à sacrifícios religiosos. O local é totalmente dedicado à Pachamama, Mãe Terra. E se vocês me pedirem para explicar mais qualquer coisa que seja eu irei usar a lógica porque sinceramente… meu guia não teve tempo para explicar. =(

4 – Puca Pucara

Esse foi mais um lugar que passamos correndo e mal tivemos tempo livre para as fotos ou contemplação. Uma pena… tão bonito. O nome Puca Pucara significa fortaleza vermelha e acredito que isso tenha a ver com a cor das pedras que foram utilizadas em sua construção. Acredita-se que o local foi construído para ser um posto de controle de quem entrava e saía de Cusco.

O interessante daqui é que é possível ver inúmeras representações de animais nas pedras. Não se pode afirmar nada a respeito se elas foram feitas de propósito ou não, mas que são interessantes… isso são!

5 – Tambomachay

Mais uma ruína que também passamos voando e para completar já estava escurecendo.Tive que perguntar duas vezes ao meu guia qual era a história do local porque parecia que ele já não estava mais tão interessado em explicar também. Enfim, talvez não tenhamos dado tanta sorte.

Tambomachay no city tour em cusco
Uma das fontes de Tambomachay

O local foi um templo inca dedicado às águas, à purificação e ao descanso de quem viajava pela região.
Dizem que beber daquela água pode te trazer vários benefícios e várias pessoas encheram suas garrafinhas em algumas fontes. Sei não, mas achei melhor não arriscar.

Conclusão sobre o City Tour em Cusco

De fato, o city tour em Cusco realmente impressiona, até porque, é nele que começamos a entender um pouquinho da cultura inca, além do fato dos lugares visitados serem muito interessantes. Entretanto, é uma pena a logística ser tão ruim e corrida. Vale a pena? Pelo preço, vale sim, pois é um passeio bem econômico e nem se compara ao valor de contratar um guia privativo. Por outro lado, se você puder contratar um guia particular, contrate! Se não puder ou achar que não é tão importante assim, feche o passeio com alguma agência, abra a sua mente e seja feliz! No final das contas, acredito que você vai curtir, nem que seja um pouquinho! rs

SIGA AS NOSSAS REDES SOCIAIS E NOS ACOMPANHE EM TEMPO REAL =)
Instagram: @cariocasemfronteiras
Facebook: /cariocasemfronteiras

Autor

Carioca de nascimento. Educadora Física de profissão. Viajante de coração. Apaixonada pelas coisas simples da vida e intrigada pelas complexas. Costuma dizer que adora um sol, mas não dispensa os dias nublados.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.